Setembro 13 2006

Mostrar ao Governo que podem ser tomadas medidas para combater o desemprego foi um dos intuitos da “Marcha pelo Emprego”, que percorreu várias localidades de Famalicão e Guimarães. Aliás, o Vale do Ave é uma das regiões onde se registam mais desempregados, nomeadamente da indústria têxtil. O BE esteve em contacto com trabalhadores e ex-trabalhadores da têxtil.

foto


O trabalho precário, o desemprego, a “imposição de trabalho extraordinário sem remuneração, foram alguns pontos lembrados pelo dirigente do Bloco de Esquerda de Joane, Manuel Cunha à chegada da “Marcha pelo Emprego” à vila.
Depois de percorridos 15 quilómetros, desde Pevidém até Joane, passando por Gondar, Pedome, Oliveira de Santa Maria e Mogege, a “Marcha pelo Emprego” chegou à vila joanense cerca das 17h30, com cerca de 120 pessoas.
“Assistimos ao empurrar dos trabalhadores com 50 anos para o desemprego”, adiantou Manuel Cunha lembrando ainda a deslocalização de empresas para os países de leste. E continuou: “As grandes fortunas contrastam com a miséria”.
Manuel Cunha lembrou ainda os jovens licenciados, e apontou que a “Marcha pelo Emprego” é um passo no sentido de melhorar as condições dos trabalhadores.
Francisco Louçã defendeu a redução do horário de trabalho e alegou que há cerca de 100 anos que existem lutas nesse sentido e não houve redução da produção.
O líder bloquista respondia a críticas veiculadas num artigo de opinião de um semanário nacional, argumentando que a redução do horário de trabalho não afectou a produção porque se soube dar resposta. Por isso, alegou os novos métodos e as novas tecnologias.
Francisco Louçã preconizou a redução da carga horária para as 36 horas, com possibilidade de distribuição por quatro dias. Pois, considera que a redução das horas de trabalho permitirá uma melhor distribuição do emprego.
“Não vamos andar a dizer que é fácil criar novos empregos, mas é necessário acabar com a existência de 550 mil pessoas que não conseguem trabalhar”, adiantou o líder do BE.
A título de exemplo, Louçã apontou o caso de França onde a redução do horário de trabalho, onde apesar de não ter conseguido o “emprego pleno”, criou muitos postos de trabalho.
Abordando concretamente o Vale do Ave, Francisco Louçã apontou que um dos intuitos da “Marcha pelo Emprego” é contactar com as pessoas e conhecer mais de perto os seus problemas.
“As pessoas vêm ter connosco contar-nos os seus problemas e encontramos muitos desempregados têxteis. Mas é isso que nós queremos, que as pessoas venham ter connosco e nos falem dos seus problemas”, explicou. A “Marcha pelo Emprego” pretende ser um “desafio poderoso lançado contra o Governo e as políticas económicas do último ano” e vai percorrer 300 quilómetros em 17 dias. A iniciativa começou em Braga no passado dia 1 e termina em Lisboa no dia 17.

publicado por BEoliveirasantamaria às 15:40

pesquisar
 
Setembro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


comentários recentes
Obrigado pelas palavras de incentivo. Sabes perfei...
Caro Amigo Marcelo Mais uma etapa difícil se avist...
Meu caro Senhor Ricardo, Penso que não leu com ate...
Ora viva Sr. Ricardo, fiquei um bocado admirado co...
Sou um jovem e em principio irei ingressar numa da...
Muitas promessas , e pouca obra apresentada ao fim...
E mais um ano sem espaços ludicos para as nossas c...
estou a gostar de ver!!! muito bem
Bom trabalho. Continuem.CFernandes
RSS